Paris – Dia 4: magníficos portões dourados do Château de Versailles

O dia amanheceu mais frio, e aquela dificuldade de levantar da cama que já estava bem quentinha pela manhã, para tirar o pijama e vestir os pequenos, grandes, gigantes casacos do frio! Saímos rumo ao metrô para pegar o trêm para Versailles que não fica muito longe de paris, algo em torno de uns 30/40 minutos de trem…

Trem para o lado errado

isso é… se você pegar o trem para o lado certo! O primeiro erro de Paris! Existem duas estações chamadas Versailles, mas só uma é do lado certo. A dica mais fácil é: se sua plataforma estiver vazia, quase certeza que você irá para o lado errado. E não adianta perguntar para o tio que abastece as máquinas de balinhas e salgadinhos da estação, que por mais que você diga (em frânces) que você é brasileiro e não fala francês, ele não vai te ajudar e vai apontar para a tela.

Andamos um bom caminho para o lado errado, mas por sorte eu olhei o celular para ter idéia da onde estavamos e descemos na primeira estação que o trem parou, no maior frio que pegamos por lá e com muita neblina! Óbvio que até chegar o trem seguinte para o lado contrário, tiramos fotos no meio do nada.

Estação no meio do nada Estação no meio do nada Estação no meio do nada

Trocado o sentido e passando por dentro de Paris de novo, o trem começou a ficar bem mais cheio e fazer muito mais sentido o que estava acontecendo. Perdidos uns 40 minutos da manhã (entre ir e voltar do lugar errado) chegamos nos gloriosos portões dourados do Château de Versailles!

Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles

 Tinha uma fila imensa na nossa frente, mas não seria um problema se não tivesse um grupo de crianças que não paravam quietos, sem os pais para controlar, comendo sei lá o que e brigando pela comida! Enfim, maior festa do caqui na fila e quando era para andar não prestavam atenção e sempre tinha um correndo para um lado e os outros berrando! Dentro do castelo é bastante lindo, em dias de frio eu recomendo passar um bom tempinho lá dentro (porque é quente hahaahaha), porque é bem bonito: atenção! tem uma hora que começa a ficar meio repetitivo e começamos a andar mais rápido (já estavamos lá dentro fazia umas duas horas).

Apésar do frio intenso, saímos do castelo para visitar os jardins, que por ser inverno estava bem “feio”! As estatuas estavam com frio e por isso estavam cobertas, estava bem neblina e o mais legal foi vetado! Para passear pelos jardins é possível alugar um carrinho de golfe para umas 4-5 pessoas. Mas a decepção não foi por não ter mais carrinhos disponíveis, mas por ter que ter no mínimo 25 anos para alugar o carrinho (um lixo ahhahaha). Acabamos andando um pouco por lá antes de sair. Mas queremos voltar um dia na primavera para ver como fica (claro, não somos bobos). Passamos para almoçar (quase no final da tarde) em um restaurante que tinha no caminho para a estação de trem

Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles  Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles Château de Versailles

Pegamos o trem de volta para Paris, dessa vez não tinha como errar o lado, era a estação final! hahahaha Como já estava de noite, fomos andando até a Esplanade des Invalides em direção à Torre Eiffel. O lugar fica mega iluminado durante a noite e dá para tirar algumas fotos, mas pena que ainda não tinha o tripé para tirar as fotos mais legais. A melhor parte de ter feito esse percurso é que descobrimos um carrefour e fizemos as compras para preparar os lanchinhos do dia seguinte.

Esplanade des Invalides Esplanade des Invalides Esplanade des Invalides Esplanade des Invalides Esplanade des Invalides Carrefour City Esplanade des Invalides

Chegando na Torre Eiffel, percebemos que escolhemos o dia certo! Se de manhã estava com neblina, de noite estava muito pior! Não tinha como ver a torre para cima do primeiro andar, era pura neblina. Legal é o efeito que fica, de tudo bem iluminado, mas sem ver absolutamente nada. Depois de ficar um bom tempinho ali, voltamos para o hotel, compramos nosso vinho noturno e chocolatinho (hahaha) e preparamos nosso lanche do dia seguinte.

 Torre Eiffel Torre Eiffel   Torre Eiffel  Vinho e chocolate Ingredientes do lanchinhoPreparando o lanchinho

Abraços,
Gui Mori

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *